Marcas de mochila para trekking: Uma reflexão sobre o mercado Outdoor

Marcas de mochila para trekking: Uma reflexão sobre o mercado Outdoor

É muito comum recebermos perguntas como: “Qual a melhor marca de mochilas para trekking?”

Porém, esta não é uma resposta simples! Como gosto de falar, depende. Depende de o que você vai fazer, quanto de peso vai transportar… depende de um monte de coisas!

Costumo dizer que toda marca de mochila é boa, desde que utilizada para o que ela foi projetada. E, mesmo dentro de uma mesma marca de mochilas, existem projetos diferentes, com características e usos diferentes!

Gosto sempre de dar o exemplo dos modelos de mochila cargueira Aircontact Lite 65+10, Aircontact 65+10 e Aircontact PRO 60+15 (veja esse vídeo). As 3 mochilas são da Deuter (mesma marca), possuem o mesmo volume mas seus projetos são para transporte de cargas diferentes!

Não quer dizer que uma é melhor do que a outra! Vai depender do seu uso. Um guia de montanha, por exemplo, que transporta mais peso, vai geralmente preferir uma Aircontact PRO, cuja capacidade de carga é de 30 kg. Já uma pessoa que só precisa transportar 15 kg, pode optar por uma Aircontact Lite.

Mas, voltando às marcas de mochila, no mercado brasileiro temos as marcas Deuter, Osprey e Thule como sendo as melhores marcas. Mesmo no mercado internacional (onde existem diversas outras marcas), Deuter e Osprey são consideradas as melhores, em “brigam” de igual para igual.

No mercado nacional, a Curtlo chega próximo a estas marcas, o que é de um valor incrível, pois produz apenas para o mercado brasileiro, enquanto Deuter, Osprey e Thule produzem para o mundo todo!

Falando em marcas de entrada, os principais exemplos são NTK, Quechua e Trilhas e Rumos, mochilas mais simples, com menos tecnologia e com preços mais acessíveis.

Mas, elas são ruins por terem menos tecnologia ou transferirem menos peso para a cintura? Não! Como coloquei acima, depende muito do que você vai fazer!

Quando faço uma caminhada na Floresta da Tijuca, por exemplo, não preciso de uma super mochila, com uma mega estrutura de transferência de carga ou com diversas funcionalidades.

Por outro lado, se for subir o Aconcágua, vou em busca de um equipamento mais técnico. E não só mochila, mas todo o equipamento, para que possa tirar o máximo de proveito desta experiência e não tenha problemas!

Para quem está começando no montanhismo de uma forma geral e não sabe se vai continuar, vale comprar uma mochila mais barata e, aos poucos evoluir!


Gostou deste vídeo?

Qualquer dúvida é só deixar um comentário abaixo ou entrar em contato. Até breve!

AuthorPedro Lacaz Amaral

Praticante de atividades ao ar livre desde 1990, sempre teve espírito aventureiro. Formado em Administração com especialização em Marketing e Business Inteligence, Pedro, junto com Kiko Araujo trouxe em 2001 a Deuter para o Brasil e atualmente é sócio da Proativa, empresa que faz a gestão das marcas Azteq, CamelBak, Deuter e Sea to Summit no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *