Leave no Trace – Respeite a vida selvagem

Leave no Trace – Respeite a vida selvagem

O sexto princípio do Leave no Trace fala sobre o respeito que devemos ter com a vida selvagem. Este princípio também atua em conjunto com outras recomendações do Leave no Trace, como a distância mínima do acampamento em relação a uma fonte de água ou a maneira correta de descartar nossos dejetos e lixo – por exemplo. Porém essas não são as únicas regras que devemos seguir no que se refere aos animais selvagens. Neste texto você conhecerá mais algumas recomendações para apreciar a vida selvagem e minimizar o seu impacto sobre ela.

E se você chegou aqui mas não sabe o que é o “Leave No Trace” (ou “Não Deixe Rastros“) vale a pena dar uma olhada no texto que explica a filosofia e os 7 princípios do Leave No Trace.

Respeite a Vida Selvagem - Leave no Trace

Princípio 6 – Respeite a vida selvagem

Aprenda sobre a vida selvagem por meio da observação silenciosa. Não perturbe a vida selvagem ou as plantas apenas para “ver melhor” ou para conseguir um “ângulo melhor”. Observe a vida selvagem à distância para que os animais não precisem fugir ou atacar. Grandes grupos de caminhantes geralmente causam mais danos ao meio ambiente e podem perturbar a vida selvagem com mais facilidade, portanto, evite caminhar por áreas naturais com muitas pessoas. Se você sair com um grupo maior, divida os participantes em grupos menores.

Movimentos rápidos e ruídos altos são estressantes para os animais. Caminhe em silêncio e não persiga, alimente ou force os animais a fugir. Note que essa regra do silêncio tem uma exceção: as áreas conhecidas pela presença de animais grandes e potencialmente perigosos, como os ursos. Em casos assim você pode quebrar a regra do silêncio e fazer barulho para afastar os animais por uma questão de segurança. Em climas quentes ou frios, a perturbação pode afetar a capacidade de um animal de resistir ao ambiente rigoroso. Não toque, aproxime-se, alimente ou pegue animais selvagens. É estressante para o animal, e pode ser um risco para você.

Animais doentes ou feridos podem morder, bicar ou arranhar e mandar você para o hospital. Animais jovens que foram tocados ou movidos de lugar por pessoas bem-intencionadas podem ser abandonados pelos pais. Ao encontrar animais doentes ou com problemas notifique a administração da unidade de conservação, um guarda-parque ou o órgão competente da sua região – eles saberão como proceder corretamente.

Campistas atenciosos observam a vida selvagem de longe, deixam espaço livre para os animais circularem, armazenam alimentos com segurança e mantêm o lixo e os restos de comida longe do alcance dos animais. Aqui no Brasil é comum em algumas regiões que animais selvagens recorram ao lixo ou invadam as barracas dos campistas atrás de alguma comida. Quatis e até mesmo lobos-guará são exemplos de animais que se comportam assim. Os animais se acostumam com a comida oferecida pelos visitantes e então começam a procurar por ela naturalmente, por isso você não deve alimentar os animais selvagens. Lembre-se de que você é o visitante da casa deles.

Vida Selvagem - Quati - Princípios do Leave no Trace
Os quatis são velhos conhecidos dos campistas, em alguns lugares eles chegam a rasgar as barracas para roubar comida

Permita que os animais tenham livre acesso às fontes de água. Idealmente, os acampamentos devem estar localizados a no mínimo 60 metros das fontes de água existentes. Isso irá minimizar a perturbação da vida selvagem e garantirá que os animais tenham espaço para beber água livremente. Evite ir até uma fonte de água durante a noite, você pode afastar os animais de hábitos noturnos que foram buscar água na mesma fonte que você. Em regiões áridas e com água limitada os caminhantes devem se esforçar para reduzir seu impacto sobre os animais que lutam pela sobrevivência, portanto evite usar os recursos escassos destes locais.

Capivara
Mantenha distância entre o seu acampamento e as fontes de água

A lavagem de louça e o descarte de dejetos humanos devem ser feitos com cuidado para que a fonte de água não seja poluída e os animais e a vida aquática não sejam impactados. Nadar em lagos ou riachos é bom na maioria dos casos, mas nas áreas muito áridas é melhor deixar os escassos poços de água intocados e não poluídos para que os animais possam beber deles.

© 1999 by the Leave No Trace Center for Outdoor Ethics: www.LNT.org. / Fotos: Pixabay

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *